21 de ago de 2009

Um velhinho do Pronto Socorro


Não pertenço a esse ciclo, simplesmente não acredito
Não desejo o que vejo, já não receio pelo alheio
Meus olhos estão lacrimejando e ansiando
Por uma libertação, do ser, do conceito, do próprio direito
Irreal me parece esse medo mortal
Sinto meu corpo esperar
Sinto meu calor apagar
A angustia é grande
A vontade então, gigante
Aguardo sua vinda
Só receio que esta demore
Então faço poesia
Ah, a poesia!
Triste, amarga e fria
Lembro-me de você nos meus braços
Entre laços, lençóis e abraços
Apenas aguardando sua vinda
Ansioso, te venero
Amor, te espero!

Amor


Amor, espécie de sentimento que definisse como paixão pelo sofrimento
Quando se ama, se apaixona pelo sofrer de uma condição além de humana, que fundamenta na sensação de estar amando
Quando as bocas se unem, o corpo se entrelaça, o batimento do coração aumenta
Logo, o desejo invade o consciente e subconsciente
Traduz como êxtase do melhor sentimento sentido existente!
Amor, quando verdadeiro é sofrimento, pois há tristeza e beleza em romances não ideais, pois se ideal, acaba com "felizes para sempre"
Quando para sempre é utopia e felicidade é momentânea,
Então, há sim,
O amor e o sofrimento
A paixão e a ilusão
A tristeza e a beleza
A união e a separação
A contradição de estar amando.

Então, só ama quem sofre e só ama quem se permiti sofrer
Perceber que amor é purificação da coragem em sofrer
Todas as pessoas que amam, sofrem.
Toda a coragem vem do sentir medo
Todo o acerto vem dos erros
Toda a vontade vem da ânsia pela vida
Toda vida vem da escolha de sentir-se amado e sofrido.